Marina Colasanti nascida em 1937, em Asmara, Eritreia (África), Marina Colasanti veio para o Brasil em 1948 e estabeleceu-se no Rio de Janeiro. Em 1952, começou a estudar pintura e ingressou na Escola Nacional de Belas Artes. Depois de participar de diversas exposições coletivas, Colasanti passou a trabalhar na imprensa. Entre 1962 e 1973, ela trabalhou como jornalista, tendo ocupado funções de repórter, editora, redatora e ilustradora. Em paralelo, começou a escrever ficção e publicou seu primeiro livro.

Enveredou, além disso, no campo da tradução. Como escritora, já publicou mais de 50 títulos, entre contos, poesia, ficção e livros infantis e infantojuvenis. Alguns de seus livros foram traduzidos, tendo sido publicados na Itália, Alemanha, Estados Unidos, Holanda, Costa Rica e Chile.

Marina Colasanti ganhou alguns dos mais importantes prêmios nacionais e internacionais, como o Prêmio FNLIJ (nas categorias Poesia, Criança e Jovem, prestígio que a tornou hors-concours); Jabuti (sete vezes); Livro do Ano, da Câmara Brasileira do Livro (duas vezes); Grande Prêmio da Crítica, da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte); o prêmio do Concurso Latino-americano de Cuentos para Niños, da FUNCEC/Unicef na Costa Rica; e o Norma-Fundalectura de Melhor do Ano, do Banco Del Libro na Venezuela. Marina Colasanti é a candidata brasileira para o Prêmio Hans Christian Andersen 2016.